sábado, 17 de janeiro de 2009

Expressão Musical


Jogo da bola segura

As crianças fazem duas bolas com folhas de revistas, depois colocam-nas nas palmas ou costas das mãos, de seguida ao som da música as crianças dançam equilibrando as bolas. Podemos usar este jogo para trabalhar a lateralidade. Quem deixar cair perde o jogo.

§ Noção de equilíbrio e coordenação motora

Criação de uma partitura não convencional – desenvolver a percussão corporal

Após explicar o que é a percussão corporal, o grupo organiza uma sequência de batimentos que é registada no quadro em forma de partitura. Depois, efectuamos esses batimentos com a sequência escolhida pelas crianças. Também podemos dialogar sobre o nome da partitura e o seu compositor, normalmente as crianças chegam à conclusão que são elas as compositoras.

§ Improvisação e reprodução de sequências rítmicas
§ Explorar e descobrir as possibilidades sonoras do corpo

Orquestra com instrumentos não convencionais

A turma é dividida em grupos, e a cada elemento dos grupos é designado um material de desperdício. Depois escolhemos o maestro que vai coordenar os grupos. O maestro pode mandar um grupo de cada vez, ou todos ao mesmo tempo.

§ Conhecimento auditivo das propriedades sonoras dos objectos

Orquestra com percussão corporal

A turma é dividida em grupos, e a cada grupo é designado um batimento corporal. Depois escolhemos o maestro que vai coordenar os grupos. O maestro pode mandar um grupo de cada vez, ou todos ao mesmo tempo.

§ Explorar e descobrir as potencialidades do corpo
§ Conhecimento auditivo das propriedades sonoras dos objectos
§ Estimular a memória auditiva




Identificar, ordenar os sons da natureza através de fonte sonora
Tendo como base os sons da natureza a partir de uma fonte sonora, as crianças associam o som à imagem da natureza.

§ Identificar e descobrir o timbre dos sons da natureza

Diferenciar os sons fortes de fracos (piano), através dos sons da natureza

Tendo como base os sons da natureza a partir de uma fonte sonora, as crianças identificam a intensidade do som. Também, podemos explorar o imaginário das crianças, mostrando unicamente a imagem para identificarem a intensidade.

§ Diferenciar a intensidade sonora (fraco/forte/)Criação de sequências rítmicas




Criação de sequências rítmicas
O professor ou alunos criam sequências rítmicas que vão ser imitadas pelo grupo, cada vez as sequências tornam-se mais complexas, pois vamos acrescentando um batimento corporal.

§ Ampliar a capacidade de memorização
§ Reprodução de esquemas rítmicos simples
§ Criar sentido de responsabilidade


Criação de melodias para poemas de Natal
(actividade com o 1º Ciclo)

A turma é dividida por grupos. A cada grupo dá-se um poema relacionado com o Natal. Os diferentes grupos devem criar a melodia e os gestos do poema recebido.

§
Ampliar a capacidade de memória auditiva
§ Desenvolver a correcta respiração em emissões verbais
§ Promover os aspectos expressivos e lúdicos da palavra
§ Entoação acompanhada de percussão corporal

Jogo das cadeiras com a melodia de músicas de Natal

§ Despertar para a nossa tradição, património cultural
§ Desenvolver a noção de ritmo (rápido/lento) através de fonte sonora






Diálogo e dramatização de uma história sobre os Reis Magos

Apresentação da história em power-point, de seguida formamos grupos para representar a história.

§ Dar a conhecer as nossas tradições de forma expressiva
§ Promover o imaginário e a fantasia das crianças
§ Desenvolver a linguagem – articulação das palavras
§ Promover a interdisciplinaridade entre expressão musical e língua Portuguesa




Reprodução de uma canção sobre as Janeiras

Primeiro trabalhamos a letra da canção, e de seguida associamos a melodia à letra.

§ Promover a capacidade de memorização
§ Desenvolver a linguagem – articulação das palavras
§ Acompanhamento instrumental de canções simples, marcando a pulsação
§ Incentivar a socialização entre as crianças e professor
§ Promover a auto- estima e a confiança no próximo


Apresentação da canção a todas as salas da instituição

Cantamos as Janeiras em todas as salas da instituição, a primeira vez só cantamos, na repetição da canção cantamos e tocamos os instrumentos.

§ Criação de um dia diferente valorizando as nossas tradições.


À descoberta dos instrumentos Orff- instrumentos de percussão




Esta actividade permite trabalhar o imaginário das crianças, podemos apresentar a mala dos instrumentos como algo mágico. Apresentamos um instrumento de cada vez, e as crianças têm de descobrir o nome do instrumento e como se toca. Para isso podemos fazer diversas brincadeiras tal como bater com a pandeireta na cabeça e perguntar se é assim que se toca.

§ Identificar os instrumentos Orff ou percussão através da distinção do timbre e características físicas

Classificação dos instrumentos musicais convencionais

Diferenciar os instrumentos não convencionais (sacas de Plástico…) dos instrumentos convencionais (pandeireta…).

Explicar o que são instrumentos de percussão – percutir significa bater, ou seja, para que os instrumentos de percussão produzam som, é necessário bater.

§ Diferenciação de instrumentos convencionais e não convencionais

Diálogo sobre Carl Orff


Mostrar a fotografia do compositor, explicar que foi muito importante na concepção dos instrumentos orff

§ Dar a conhecer a bibliografia de Carl Orff


Classificar os instrumentos Orff por famílias de acordo com o timbre e as suas características físicas (dossier de imagens)

Apresentar as imagens e o som dos instrumentos, depois observar bem as características físicas dos instrumentos e dizer a que família pertence (madeiras, metais, peles).

§ Classificação dos instrumentos Orff por famílias atendendo ao timbre e características físicas

Associar o som dos instrumentos à imagem

Distribui-se as imagens dos instrumentos pelas crianças, coloca-se o som de um instrumento e a criança que tiver a imagem do instrumento correspondente à fonte sonora levanta-se. E assim sucessivamente….

§ Desenvolver a acuidade auditiva e percepção visual
§ Estimular o poder de concentração e capacidade de escuta


Exploração de uma história através de instrumentos musicais de percussão, agrupando-os por famílias e instrumentos não convencionais.

História da princesa Matilde

Era uma vez uma princesa chamada Matilde que vivia num lindo castelo no meio da floresta encantada. Matilde era uma princesa muito bonita, tinha os olhos muito grandes e castanhos, cabelos longos e ondulados. Um certo dia a Matilde saiu para passear na floresta.

Quando estava apanhar flores ouviu um som arrepiante, mas como não viu ninguém pensou que terá sido o vento a soprar, e continuou a apanhar flores. De repente, ouviu outro barulho muito forte, mas como não viu ninguém pensou que fosse a trovoada lá ao longe, e continuou o seu passeio. Mas um barulho muito forte começou a aproximar-se, e a Princesa Matilde reparou que não era o vento nem a trovoada, mas sim um grande monstro peludo que estava atrás dela.
Quando a Matilde viu um monstro horrendo desatou aos gritos pela floresta correu, correu…, mas o monstro perseguia constantemente.
Um príncipe que andava a cavalgar no seu cavalo ouviu os gritos da princesa e foi rapidamente ver o que estava acontecer.
Entanto a princesa gritava o Príncipe tentava ir ao seu encontro para a ajudar. Quando ele chegou à sua beira deparou-se com um grande monstro peludo. O príncipe lutou com o monstro e venceu. Depois, pegou na princesa e colocou-a no seu cavalo maravilhoso e veloz. E ficaram felizes para sempre.


Princesa – Família dos metais
Príncipe – Família das madeiras
Monstro - Família das peles
Vento - sacos de plástico
Trovoada - papel de alumínio



À medida que o professor conta a história as crianças associam as personagens aos instrumentos musicais. O professor deve enfatizar os diferentes momentos para que as crianças possam fazer adequadamente a pulsação, quando o professor fala rápido a pulsação é rápida, quando o professor fala lentamente a pulsação deve ser lenta.

Jogo - “Com o teu grupo descobre qual o instrumento que tocou” – trabalho realizado em pequeno grupo.

O grande grupo é dividido em pequenos grupos. Cada grupo escolhe um chefe que lhes vai representar. A professora coloca todos os instrumentos sobre a mesa e faz uma magia para as crianças fecharem os olhos. Quando todas as crianças tiverem de olhos fechados a professora toca um instrumento. Um grupo de cada vez tenta adivinhar o instrumento tocado, o grupo que acertar recebe um ponto. Quando acabar o jogo, a equipa que tiver mais pontos ganha a oportunidade de fazer uma orquestra musical.

§ Desenvolver a acuidade auditiva e percepção visual
§ Estimular o poder de concentração e capacidade de escuta
§ Promover o espírito de equipa
§ Explorar o nome e o timbre dos vários instrumentos Orff

1 comentário:

nina m disse...

Parabéns pelas actividades, são mesmo criativas e funcionais. Vou experimentar algumas e espero que as crianças aproveitem. Obrigada pela partilha.Beijinhos